10 de março de 2016

OS OPOSTOS SE ATRAEM

Há também a mulher que detesta pessoas agressivas e faz com que o marido se encarregue da agressão e dos gritos. E a mulher com um marido perdulário que expressa, no lugar dela, a parte indulgente da sua personalidade. A identificação projetada é sempre recebida por pessoas com tendência naquela determinada direção, mas é "colocada" ali pelo companheiro ou companheira, que precisa de alguém para fazer seu papel.

"Quando uma mulher aprende a negar as próprias ambições e impulsos competitivos de competência e domínio", diz a psicóloga Marriet Lerner, "pode escolher um homem que expresse essas coisas por ela. Quando não consegue tolerar a ideia da própria dependência ou fraqueza, pode encontrar um companheiro que desempenhe um papel de incompetente e fraco que ela teme ser o seu papel real. Quando aprende a agradar e proteger os outros, talvez encontre um marido provocador e sem tato social. As mulheres geralmente escolhem como maridos homens que expressam justamente tudo aquilo que elas precisam negar em si mesmas, ou qualidades que deveriam expressar, mas não conseguem. E, então, revoltam-se contra o marido, quando ele expressa as qualidades pelas quais o escolheram."


Judith Viorst (Perdas Necessárias; pág: 200)

Nenhum comentário: