15 de março de 2016

O HORROR DE VIVER UMA VIDA INOBSERVADA

A alegria de ser observado era tão arraigada que, na crença de Breuer, a verdadeira dor da velhice, do luto, de sobreviver aos amigos estava na ausência de escrutínio: o horror de viver uma vida inobservada.


Irvin D. Yalom (Quando Nietzsche Chorou; pág: 75)

Nenhum comentário: