16 de março de 2016

A DESCRENÇA E A VERDADE

Atinge-se a verdade - continuou Nietzsche - através da descrença e do ceticismo, e não do desejo infantil de que algo seja de certa forma! O desejo de seu paciente de estar nas mãos de Deus não é a verdade. É simplesmente um desejo infantil, e nada mais!

Se as crenças e o comportamento humano devem ser entendidos, é preciso primeiro varrer a convenção, a mitologia e a religião. Somente então, sem "nenhuma preconcepção, qualquer que seja", pode-se ter a pretensão de examinar o sujeito humano. A partir da descrença, pode-se criar um código de conduta para o homem, uma nova moralidade, um novo esclarecimento em substituição aos gerados pela superstição e pela ânsia do sobrenatural.


Irvin D. Yalom (Quando Nietzsche Chorou; págs: 90, 137 e 176)

Nenhum comentário: