27 de outubro de 2014

DESPIR

Procuro despir-me do que aprendi,
Procuro esquecer-me do modo de lembrar que me ensinaram,
E raspar a tinta com que me pintaram os sentidos,
Desencaixotar as minhas emoções verdadeiras,
Desembrulhar-me e ser eu, não [Diego Cosmo] Albert Caeiro,
Mas um animal humano que a Natureza produziu. [...]
Mas isso (tristes de nós que trazemos a alma vestida!),
Isso exige um estudo profundo,
Uma aprendizagem de desaprender...


Alberto Caeiro

Nenhum comentário: