4 de julho de 2014

ELEIÇÕES

Como os interesses são fragmentados, o bipartidarismo obriga os diversos grupos a comporem coalizões fictícias durante as campanhas eleitorais. Depois, uma vez passadas as eleições, os grupos começam a se desagregar e as várias forças que os compunham começam a atacar-se mutuamente, porque, na realidade, não são portadoras de interesses homogêneos. Possuir um interesse em comum hoje não significa que se terá também outros interesses em comum amanhã. Obtido o objetivo momentâneo, cada um passa a outros objetivos, diversos entre si. E, portanto, passa a formar outras alianças.

Domenico de Masi (O Ócio Criativo, pág. 187 e 201)

Nenhum comentário: