8 de maio de 2013

MEU TEMPO TEM NOME

Por: Diego Cosmo
Nunca vi o tempo distorcer tanto... O relógio desaprende a contar qualquer coisa quando ao menos te vejo e aprende a cantar desafinadamente os minutos quando nos despedimos. Teu beijo é um eterno fechar de olhos, te abraçar me leva as mais variadas eternidades antes impensáveis, o que dizer desse teu sorriso? Nem ouso esboçar mais nada, qualquer palavra não chega aos pés de puder descrever o teu cheiro, teus gestos e todas as sutilezas que ensaio entender. Melhor parar por aqui antes que eu comece a me iludir achando que posso explicar algo do que ando a viver contigo...

2 comentários:

Thaíla disse...

Você é imprescindível pra o que quer que me faça inteira, Diego.
Imprescindível é o que melhor sintetiza, complementa e traduz o você faz brotar... o que você anda fazendo brotar!

Diego Cosmo disse...

Meu bem, desejo continuar me completando em ti para assim nos fazermos inteiro, por um tempo incontável!