26 de setembro de 2011

A GRAÇA NÃO É SUFICIENTE?


Se fundarmos nossa igreja teremos mais dinheiro que o chefe do tráfico e não teremos o incômodo da polícia no nosso calcanhar, nem andaremos com armas nem com gente violenta. Detesto violência, sou da paz. Quem quiser nos seguir e nos pagar dízimos farão livremente. Mas nosso apelo será irresistível. Já saquei como esses pastores da TV trabalham, imprimiremos o medo do inferno nas pessoas, focaremos a culpa pelos pecados. Todo mundo tem pecado. Mostraremos como somos poderosos contra satã.

Como as massas se deixam manipular barato. Tudo não passava de uma farsa, mas o povo acreditava. Por que acreditava tão fácil? Perguntava para si mesmo. "Seria o desespero para obter ajuda espiritual? Conseguir atalhos para vencer os mais terríveis dilemas da vida? Ou mesmo preguiça de pensar, de lutar, e de encarar suas responsabilidades?". Havia também empresários, profissionais liberais e gente de razoáveis posses. O que estariam fazendo no meio da multidão? Eram pessoas que procuram garantir sua prosperidade, que buscavam uma espécie de blindagem divina contra as bancarrotas, as tragédias, as catástrofes, a falência, a violência urbana, as doenças e tudo mais que saísse do seu controle e signifique perigo de perder a boa vida que levavam.

Teologias que exigem sacrifícios, penitências e flagelo. A graça de Jesus não é suficiente? Não foi ele quem fez o sacrifício definitivo?


Jansen Viana (Apenas um Carpinteiro; págs: 35, 74, 75 e 95)

Nenhum comentário: