24 de novembro de 2010

O HOMEM-DEUS


Oh, amo os sonhos dos meus amigos ardentes, jovens, que a sofreguidão de viver deixa trêmulos! "Novos homens virão". "Eles tencionam destruir tudo e começar pela antropofagia. Tolos! A meu ver, nem é preciso destruir nada, mas só e unicamente destruir na humanidade a idéia de Deus, eis de onde é preciso começar! É daí, é daí que se precisa começar - oh, cegos, que nada compreendem! Quando a humanidade, sem exceção, tiver renegado Deus (e creio que essa era - um paralelo aos períodos geológicos - virá), então cairá por si só, sem antropofagia, toda a velha concepção de mundo e, principalmente, toda a velha moral, e começará o inteiramente novo. Os homens se juntarão para tomar da vida tudo o que ela pode dar, mas visando unicamente à felicidade e à alegria neste mundo. O homem alcançará sua grandeza imbuindo-se do espírito de uma divina e titânica altivez, e surgirá o homem-deus. Vencendo, a cada hora, com sua vontade e ciência, uma natureza já sem limites, o homem sentirá assim e a cada hora um gozo tão elevado que este lhe substituirá todas as antigas esperanças no gozo celestial. Cada um saberá que é plenamente mortal, não tem ressurreição, e aceitará a morte com altivez e tranquilidade, como um deus. Por altivez compreenderá que não há razão para reclamar de que a vida é um instante, e amará seu irmão já sem esperar qualquer recompensa. O amor satisfará apenas um instante da vida, mas a simples consciência de sua fugacidade reforçará a chama desse amor tanto quanto ela antes se dissipava na esperança de um amor além-túmulo e infinito" ...e assim por diante, tudo coisas desse gênero. Um primor!"


Fiódor Dostoiévski (Os Irmãos Karamázov; págs: 839 e 840)

3 comentários:

Ana Maria disse...

O amor verdadeiro não espera recompensa.
Beijinhos de luz!

Marcelo Pirajá Sguassábia disse...

Diego, seu blog continua muito bacana. Abraços e obrigado pela visita ao Consoantes Reticentes.

Hellen disse...

Quero me achar nesse mundo!