16 de março de 2010

A FUGA


A gente inventa qualquer coisa
Pra não sofrer
E ri à toa
Pra não chorar

A gente inventa de morar até na lua
E quer partir de mala e cuia
A gente vive em edifício de elevador
Quer morar no céu ou no Arpoador

E ri à toa
pra não chorar

A gente sonha, bebe e chora pra esquecer
Rasga cartas e retratos pra não sofrer
A gente sai pra viajar, pra caminhar
Quer trabalhar pra não lembrar

A gente não quer encarar o bicho
Que tá roendo dentro de nós

A gente inventa qualquer coisa
Pra ser feliz
Se apaixona por um ator
ou por uma atriz


Zé da Riba - Fuga nº 1

12 comentários:

Sylvio de Alencar. disse...

"Acho que começar tirando do caminho as questões que vem da cabeça faz com que as do coração fiquem mais fáceis de ser trabalhadas - William P. Young".

Aahahahaha!!!!!! Que gostoso ler algo que, profundamente, é verdade!!!!
Se rir é iluminar (e é), iluminei com uma luaz que não posso ver, a minha sala.

Gostei da sua presença.
Terá a minha.
Aquele que É, disse que devemos procurar a companhia dos que com quem somos parecidos, isso ajuda, e muito, nossa evolução. Não há como não seguir tão cristalina verdade.

Fique com Ele.

Dayanne, disse...

gostei daqui, das palavras, do blog em si, confesso que também irei te visitar - sempre! :)

Samieh Saleh disse...

adorei teu blog!
muito bom mesmo!

abraços
samieh saleh

Diego Cosmo disse...

Massa! Agradeço a vc, meu mais novo amigo de blog pela visita! xD seja bem vindo! Acredito que seja uma boa idéia se juntarmos numa procura pela sabedoria, uma de minhas intenções em querer partilhar esse blog com vc e com os outros é justamente isso!
agradeço a presença!

abraço!

Diego Cosmo disse...

Dayanne, obrigado pela visita!Procuro sempre está trazendo nossos textos para compartilhar! e é bom ter a sua presença aqui!
um beijo!

Diego Cosmo disse...

Samieh que bom vc ter respondido minha visita e ter gostado daqui, está convidada a me acompanhar também!

um beijo!

Etérea disse...

Bom esse lugar!

dade amorim disse...

Gosto daqui, das coisas que você curte e desse poema do último post.
Obrigada por sua presença, viu?
Muito bem-vindo.

Abraço pra você.

Diego Cosmo disse...

Que beleza! Espero possa nascer bons diálogos através de suas visitas! xd

abraço!

Laisse Barbosa. x) disse...

adorei, acho que não tem um ser humano que não se identifique, todos somos assim. beeijos. ;*

Sylvio de Alencar. disse...

Zé da Riba? É um poeta tipo regional?
Canta uma insatisfatação bem conhecida...

Abrçs.

Diego Cosmo disse...

Houvir falar dele de outra boca, que o encontrou numa feira d literatura de cordel, é uma kbra da peste arretado esse ai! hehhe