21 de outubro de 2009

DESCONTENTAMENTO INSTITUCIONAL

Por: Diego Cosmo

Nos convencermos a agir de acordo com o que somos e com o que é certo e justo independente da cultura do habitat ou qualquer outra regra do meio é de extrema importância para uma mudança significativa e evolução de uma sociedade que julgamos desconfigurada negativamente em vários pontos.

Orações a Deus de pedidos, súplicas etc, querer atualizá-lo, convencê-lo, lembrá-lo de algo é inútil a sua natureza e parece contraditório quando dizemos que Ele é o rei todo poderoso e que sabe de tudo, mesmo sem nunca ter agido como tal, nunca nos impondo nada.


Muitas instituições cristãs criaram e reproduzem a ideia de que devemos agradar a divindade para sermos abençoados, uma espécie de lógica mercantilista, submetendo várias pessoas a sacrifícios, humilhações, cumprimento de tarefas cansativas, fazendo Deus parecer um apreciador da dor e não do amor e da justiça. Como se a graça dependesse do sofrimento. Creio que todos esses rituais como jejum, promessas em nome de Deus seja um leve atraso na crença em idéias mitológicas, não fazendo sentido algum em um relacionamento embasado no amor.

Certas religiões usam as escrituras para manipular as pessoas de que precisam para sobreviver. Apesar disso tudo, Deus como um torcedor roxo da humanidade, nos deu amor suficiente para fazermos mudança, Ele nos ama incondicionalmente, nos da a capacidade de reagir e sermos livres, de fato livres, amar e ser humano.

19 de outubro de 2009

EVENTOS EVANGÉLICOS QUE DÃO APOPLEXIA

* Menino prodígio pregando, fantasiado de pastor. (Tenho vontade de esganar os pais, os líderes que deixam esse tipo de excrescência e a multidão imbecilizada que ainda consegue dar glória a Deus).

* Marcha para Jesus em São Paulo. (Sei que esse “carnaval-gospel-fora-de-hora” acontece em outras cidades, mas nenhum consegue ser tão ruim).

* Pastor entrevistando demônio. (Além de considerar desprezível o que um demônio tenha para dizer, acho esse tipo de coisa uma violência contra a dignidade humana).

* Evangelista empetecado prometendo prosperidade. (Tais mercadejadores da esperança povoarão a esfera mais baixa do mundo subterrâneo de Dante).

* Profecia em programa de rádio. (O pastor chuta afirmando que algum motorista está triste e que Deus mandou aquele recado; pateticamente acerta todas).

* Conferência missionária que atrela a miséria da Africa à idolatria. (As veias do meu pescoço incham quando ouço alguém dizer que os Estados Unidos ficaram ricos porque são “uma nação cristã”).

* Testemunho de cura divina em cruzada evangelística (Que tristeza ouvir velhinha contar que foi curada de caroço, dor nas pernas e da coluna! Os que têm o dom de cura devem dar plantão na Ala dos Indigentes do Hospital do Câncer ou em ClInica de Hemodiálise).

* Sermão entrecortado com língua estranha (Será que as platéias não percebem o exibicionismo?).

* Político se convertendo em ano eleitoral (Que mico; nojo se mistura com vergonha!)


Ricardo Gondim

15 de outubro de 2009

FELICIDADE REALISTA



A princípio bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos. Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser magérrimos, sarados, irresistíveis. Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema: queremos a piscina olímpica e uma temporada num spa cinco estrelas. E quanto ao amor? Ah, o amor... Não basta termos alguém com quem podemos conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando. Isso é pensar pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo. Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados, queremos jantar a luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito.

É o que dá ver tanta televisão. Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista. Ter um parceiro constante pode ou não, ser sinônimo de felicidade. Você pode ser feliz solteiro, feliz com uns romances ocasionais, feliz com um parceiro, feliz sem nenhum. Não existe amor minúsculo, principalmente quando se trata de amor-próprio. Dinheiro é uma benção. Quem tem, precisa aproveitá-lo, gastá-lo, usufruí-lo. Não perder tempo juntando, juntando, juntando. Apenas o suficiente para se sentir seguro, mas não aprisionado. E se a gente tem pouco, é com este pouco que vai tentar segurar a onda, buscando coisas que saiam de graça, como um pouco de humor, um pouco de fé e um pouco de criatividade. Ser feliz de uma forma realista é fazer o possível e aceitar o improvável. Fazer exercícios sem almejar passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato, amar sem almejar o eterno.

Olhe para o relógio: hora de acordar é importante pensar-se ao extremo, buscar lá dentro o que nos mobiliza, instiga e conduz, mas sem exigir-se desumanamente. A vida não é um jogo onde só quem testa seus limites é que leva o prêmio. Não sejamos vítimas ingênuas desta tal competitividade. Se a meta está alta demais, reduza-a. Se você não está de acordo com as regras, demita-se. Invente seu próprio jogo.

Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade. Ela transmite paz e não sentimentos fortes, que nos atormenta e provoca inquietude no nosso coração. Isso pode ser alegria, paixão, entusiasmo, mas não felicidade.


Mário Quintana

7 de outubro de 2009

A PARÁBOLA DA DESCULPA CELESTIAL



Um homem cruza a rua e um ônibus por pouco não o atropela, Então, ele diz: "Deus me ama, pois o ônibus não me atropelou". Em outra ocasião, o ônibus o golpeia e o mutila. Desta vez, ele diz: "Deus me ama, pois o ônibus não me matou". Finalmente, um dia o ônibus o mata. Mas, agora, são seus amigos a dizer: "Deus o ama, pois o tirou deste mundo infeliz e pecador".


John Macquarrie

Na primeira casa, o filho disse para o rabino: "Se ao menos eu tivesse mandado minha mãe para a Flórida, para longe desta neve, ela estaria viva hoje. Ela morreu por minha culpa". Na segunda casa, o outro filho disse: "Se ao menos eu não tivesse insistido para que minha mãe fosse para a Flórida, ela estaria viva hoje. Aquela longa viagem de avião e a mudança brusca de clima foram demais para ela. Morreu por minha culpa". A questão é a seguinte: acreditando-nos culpados, podemos acreditar nos nossos poderes de controle da vida. Estamos dizendo que preferimos o sentimento de culpa à aceitação de não estarmos com o controle. Outros talvez sintam necessidade de acreditar que Alguém lá em cima tem o controle, que coisas terríveis não acontecem sem uma causa, que, se foram atingidos pela tragédia e pela perda devastadora , é porque, de algum modo, as mereceram. São os que não aceitam a ideia de que o sofrimento é aleatório, ou de que os homens maus prosperam enquanto os bons são castigados. Assim, acrescentam ao sofrimento a convicção de que sofrem porque devem sofrer, que seu sofrimento é prova suficiente da sua culpa.


Judith Viorst (Perdas Necessárias; pág: 136)