18 de junho de 2009

UM DIÁLOGO


Em uma tarde sossegada, Chartrand cruzara com o camerlengo vindo por um dos caminhos que cortavam a Cidade do Vaticano. O sacerdote reconhecera Chartrand como um dos novos guardas e convidara-o para acompanhá-lo em um passeio a pé. Não conversaram sobre nenhum assunto em especial, mas o camerlengo fez Chartrand sentir-se imediatamente à vontade.

- Padre - disse Chartrand - posso lhe fazer uma pergunta esquisita?
O camerlengo sorriu.
- Só se eu puder lhe dar uma resposta esquisita.
Chartrand achou graça.
- Já perguntei isto a todos os padres que conheço e continuo não entendendo.
- O que é que você não entende?

O camerlengo ia na frente em passos rápidos, o pé levantando a ponta da batina quando ele andava. Os sapatos eram pretos, de sola crepe, e combinavam com ele, pensou Chartrand, como se refletissem a essência do homem: moderno mas modesto e mostrando sinais de desgaste.

Chartrand respirou fundo.
- Não entendo o que vem a ser uma onipotência benevolente.
O camerlengo sorriu.
- Você anda lendo a Sagrada Escritura.
- Eu tento.
- E está confuso porque a Bíblia define Deus como uma divindade onipotente e benevolente.
- Exato
- Onipotente e benevolente significa apenas que Deus é todo-poderoso e bem-intencionado.
- Compreendo o conceito. É que parece haver uma contradição aí.
- Sim. A contradição é a dor. A fome, as guerras, as doenças.
- Exatamente! - Chartrand sabia que o camerlendo compreenderia - Coisas terríveis acontecem neste mundo. A tragédia humana é como uma prova de que Deus não pode ser simultaneamente todo-poderoso e bem-intencionado. Se ele nos ama e tem o poder de mudar nossa situação, Ele deveria também evitar nossas dores, não é?
- Deveria mesmo? - perguntou o camerlengo.

Chartrand ficou embaraçado. Teria passado dos limites? Será que se tratava de uma daquelas perguntas religiosas que não se devia fazer?

- Bem, se Deus nos ama, se é capaz de nos proteger, Ele deveria, sim. Parece que Ele é onipotente e indiferente ou, ao contrário, benevolente e incapaz de nos ajudar.
- Tem filhos, tenente?
Chartrand enrubesceu.
- Não, signore.
- Imagine se tivesse um filho de oito anos. Você o amaria?
- Claro.
- E faria tudo o que pudesse para evitar que ele sofresse na vida?
- Claro que sim.
- E deixaria que ele andasse de skate?

Chartrand estacou, admirado. O camerlengo parecia singularmente "por dentro" para um sacerdote.
- Sim, acho que sim - disse Chartrand.- Com certeza deixaria que andasse de skate, mas diria a ele para ter cuidado.
- Quer dizer que, como pai desse menino, você lhe daria uns bons conselhos básicos e deixaria que saísse e cometesse seus próprios erros?
- Eu não correria atrás dele para mimá-lo, se é o que o senhor quer dizer.
- E se ele caísse e ralasse o joelho?
- Ele aprenderia a ser mais cuidadoso.
O camerlengo sorriu de novo.
- Então, quer dizer que, mesmo tendo o poder de interferir e evitar que seu filho sentisse dor, você optaria por demonstrar seu amor deixando-o aprender suas próprias lições?
- Claro, a dor é parte do crescimento. É como aprendemos.
O camerlengo sacudiu a cabeça.
- Exatamente.


Dan Brown (Anjos e Demônios; págs: 301 e 302)

Nenhum comentário: